SÉ CATEDRAL DE BISSAU

Nossa Senhora da Candelária

Jornada Diocesana do Bispo

JORNADA DIOCESANA DO BISPO

Primeira Jornada Diocesana do Bispo | 2016

Por António Tavares
Fotos: António Tavares

A primeira Edição da Jornada Diocesana juntou milhares de fiéis, de todas as paróquais e sectores pastorais da diocese de Bissau.

Foto da Catedral A presença dos membros do governo foi notável assim como de outras individualidades convidadas, a destacar, o ex-primeiro ministro, presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira e de uma delegação vinda do Ziguinchor.

Foto da Catedral A missa campal foi presidida pelo Bispo D. José Camnaté, na presença do bispo auxiliar D. José Lampra Cá e de vários missionários e missionárias, sacerdotes, diáconos e aspirantes.

Foto da Catedral Satisfeito com a resposta massiva dos fiéis católicos nessa jornada, começando desde a marcha desportiva, realizada, um dia antes, seguida de várias actividades outras actividades culturais e desportivas, o bispo começou por saudar e agradecer a todos os presentes que se dignaram, em participar neste magno encontro de fé que se realiza pela primeira vez no país.

Foto da Catedral Na sua homilia D. Camnaté realçou a colaboração da vizinha diocese de Ziguinchor cuja a prática, em Jornadas Diocesanas, encontra-se mais avançada.

Por um acontecimento inédito que se realiza no país e com uma aderência massiva, o Bispo não deixaria de manifestar a sua satisfação. Citando o primeiro presidente senegalés, Leopoldo Sédar Senghor, o bispo disse: "Quem exerce qualquer liderança como deve ser é como se fosse um sacerdócio"

No decurso de actividades culturais, durante o periodo da tarde, o bispo dignou-se, ainda, em conceder uma entrevista a Site da Catedral.

Foto da Catedral Questionado sobre a sua impressão em ver uma resposta massiva, nesta jornada, que se realiza pela primeira vez, em Bissau, assim respondeu:

"Essa participação demonstra a consciencia da pertença a Igreja e ao mesmo tempo consciencia da responsabilidade comum na missão de evangelizar". O bispo fez uma alusão a lingua de Camões, porque a entrevista foi conduzida em crioulo. "Usamos duas palavras em português para definir aquilo que vimos nos dias 16 e 17 de Abril, a Identidade e a Missão. Se somos membros da familia de Deus, se temos consciencia de que a nossa missão é evangelizar temos que assumir com seriedade todos os custos, podemos dizer, tanto em recursos humanos, como em recursos financeiros, na tarefa de evangelização, custos de testemunho de fé. No entanto a grande alegria é que a participação dos fiéis ultrapassou as expectativas visto que, é a primeira experiência. Receávamos que a sensibilização feita não iria atingir todas as comunidades católicas e não atingiria muita gente. Para dizer, fomos surpreendidos pela positiva. Vamos continuar a rezar pelo empenho de cada cada batizado, de cada comunidade cristão para podermos ter mais força para poder transformar a nossa sociedade e de vencer, mais rapidamente, os grandes desafios que temos pela frente".

Interrogado sobre, qual seria a mensagem, a dirigir aos fiéis católicos e a todos os guineenses, no geral, no fim da Jornada Diocesana, assim respondeu: "Em primeiro lugar, devo agradecer a Deus e a todos os participantes. Demonstrou-se aqui que confiamos em Jesus Cristo; o povo guineense reafirma essa convicção de que acredita em Deus, por isso, em toda a situação, diz sempre, que Deus é grande. É uma grande expressão da Fé. No entanto, a solidariedade do povo guineense é espontâneo. Por isso, hoje, perante as novas dificuldades, queremos pedir, e apelar ao povo guineense para que, em nenhuma circunstancia, deixa perder a fé, em Deus, e ao mesmo tempo, para que deixe que a luz do espírito o guie a sua consciencia, o seu coração para junto podermos tarbalhar para que haja mais unidade. Para podermos trabalhar para que haja mais solidariedade, mais irmandade, mais união, para reconciliarmos para que a paz definitiva reine no nosso país. Deus quer que os seus filhos, os guineenses, vivam na paz e em harmonia. Se ainda existe o puxa-puxa é porque a nossa fé é ainda fraca e precisa ser amadurecidam. Quero aqui deixar um vibrante apelo, aos guineense para que rezus o em aos dirigentes políticos, para que Deus os dê a graça de conversão. Para que sintam que se o povo acredita neles é porque Deus assim quis, no entanto, têm a dupla dívida: a dívida perante Deus e perante o povo. Devem merecer a confiança do povo e não têm direito em continuar a desiludi-lo, por causa das guerrinhas internas entre eles. Devem ultrapassar essas guerras internas para o bem da população".

Foto da Catedral Para a realização da Jornada Diocesana, um evento inédito no país, a Diocese de Bissau enviou por vários momentos a Ziguinchor alguns elementos da comissão organizadora para embeber da expêriencia.

A presença duma delegação, chefiada pelo secretário da Cúria de Zinguichor, vinda das terras senegalesas para assistir a cerimonia confirma o grau dessa parceria.

O padre senegalês que tomou parte nas celebrações falou dessa parceria e mostrou-se satisfeito por poder apoiar essa iniciativa de grande importância para a Diocese de Bissau.

Tal como o padre senegalês, Macária Barai, leiga empenhada nas áreas do ensino guineense e empreendedora realçou essa importância.

Foto da Catedral Disse que importante começar porque tudo tem o seu começo porque os resultados são a vista logo nesta primeira edição da jornada.

Para o presidente da comissão organizadora o evento superou as expectaivas, pois que, não se esperava tanta gente.

No olhar externo foi um sucesso, sem dúvida, mas para a próxima deve-se corrigir a área logistica. As falhas verificadas atendem-se por ser o começo.

No fecho da jornada o ambiente foi colorido com grupos coral de diferentes paroquias que animaram com canções danças e muita animação.

O publico gostou daquilo que viu e o chefe da Igreja católica sentiu-se orgulhoso com os cristãos que demosntraram que estão unidos e em comunhão com o Bispo.